Curta a página do QLA no Facebook

21 de ago de 2012

Ao meu Silêncio


           As vezes (as vezes não, vamos começar com sinceridade) SEMPRE, que Deus se silencia diante de nós, e parece não querer nos responder ou nos favorecer ante a adversidade, pensamos que devemos agir ou tentar reverter o quadro conforme achamos que deve ser feito; logo não entendemos o silêncio de Deus, e tão pouco queremos entender. O que na verdade queremos é respostas.
          O problema do cristão nasce com ele em sua conversão, e chama-se: dúvida. E durante a sua trajetória de vida, dificilmente o crente buscará meios de extinguir a incredulidade do seu coração; por isso sempre que o mesmo for posto a prova, a primeira atitude será de se refugiar no Pai, (que é a atitude mais correta, só que ao longo da sua vida cristã, mais torna-se uma fuga evasiva, do que propriamente um lugar de descanso), e o Pai, que o ama, que o compreende, e lhe quer o melhor, naquele momento de angústia por sua infinita sabedoria, não o quiser responder, ou lhe disser: Calma filho, xiiiiii...... Leva-lo-ei ao meu silêncio, ao meu deserto, ao meu vale, e aí sim lhe falarei....! E agora? mas Senhor, eu preciso agora, o 'milagre urgente', a 'cura instantânea', a 'divida vencida'.... E o Pai insiste em dizer: xiiiiiiii........
          Nesse momento você é colocado a prova do descanso, não o conformismo, ou a passividade, mas o descansar em Deus, o depender de Deus, o esperar em Deus. Não é fácil, porque não é o nosso tempo, não é o nosso controle, ou a nossa estratégia, mas sim a de Deus; e não é pelo fato de Ele ser Deus, que significa que eu vou me acalmar, deveria ser, mas vai dizer isso a mente e ao coração; justamente por isso, pelo fato de Deus te querer por completo, sem reservas, que Ele quer te ensinar a depender Dele, a crer, a lançar fora toda dúvida, raiz de incredulidade, e descansar, sabendo que o silencio de Deus significa que Ele esta te moldando, te modelando, tornando você cada dia mais parecido com Ele.

         Subindo a altos lugares, Danilo Dias.
       
Postar um comentário

Deixe o seu comentário